ENCONTRO NACIONAL DAS MULHERES UCRANIANAS BRASILEIRAS

Realizou-se dia 10 de março, em Curitiba, o Encontro Nacional das Mulheres Ucranianas do Brasil. Na abertura dos trabalhos, a mesa foi constituída e usaram da palavra a Sra. Eliana Herreros Sorotiuk representante da Comissão das Mulheres da Representação Central, a Cônsul da Ucrânia em Curitiba Larysa Myronenko, a Secretária de Cultura de Ponta Grossa Sra. Elizabeth Schmidt, a Representante da Sociedade Ucraniana do Brasil Sra. Sonia Sysak, e o Presidente da Representação Central Ucraniana Ucraniana Brasileira Sr. Vitorio Sorotiuk.

Foram expostos os objetivos do encontro em dar início à organização nacional das mulheres ucranianas, com a ampliação da atual comissão, o resgate da memória histórica da organização e atividades das mulheres ucranianas e a realização de um congresso nacional em 2013. A Cônsul da Ucrânia Larysa Myronenko leu a mensagem do Embaixador da Ucrânia Sr. Ihor Hrushko saudando o encontro. A Secretária da Cultura de Ponta Grossa anunciou a criação da estante Helena Kolody na Biblioteca que será inaugurada dia 1º de Maio em Ponta Grossa. O Presidente da Representação Central Ucraniana Brasileira Dr. Vitorio Sorotiuk
relatou que pela sua experiência nos últimos 10 anos na direção das
Representação Central observou que a maior parte das atividades culturais da comunidade são dirigidas e tem a presença da mulher ucraniana e pretende que na próxima direção da representação a participação das mulheres seja expressiva ou exerça a própria presidência.

Durante o evento foi prestada uma homenagem à poetisa Helena Kolody com a apresentação do filme Helena Kolody de Josina Mello.

O Encontro Nacional das Mulheres Ucranianas recebeu mensagens da Ministra Chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann Domingues, de Oliana Resetiuk do Grupo Solovey do Rio Grande do Sul, de Oksana Javidjak de Lviv, da primeira dama do Município de Paula Freitas.

O Encontro decidiu pela ampliação da comissão das mulheres aprovada no VIII Congresso da Representação Central e a convocação do congresso para o mês de março do ano de 2013. Ficou assim ampliada a Comissão de Mulheres da Representação Central Ucraniano Brasileira: Eliana Herreros Sorotiuk, Deolmaria Retcheski Dalazen, Mauriza Lger Gruba, Helena Groxko, Andreia Kalaboa, Andreia Sedyr , Julia Bordun, Julia Regina Bordun Bertoldi, Oliana Rezetiuk, Joani Rawlik Lopes, Marcia
Rybka, Antonia Sysak, Liuba Hrebinnek, Irmã Leocadia, Representante do Instituto das Catequistas, Ilse Stecki, Daria Larisa Vera, Dirce Corneliuk , Maria Dubezkiy, Elizabeth S. Wistuba.

DISCURSO DE ABERTURA DA PRESIDENTA DA COMISSÃO:

O mês de março foi escolhido para realizar esse encontro em razão de ser o dia 8 de março o dia Internacional da mulher.

Nasceu esta tarefa como um dos resultados do VIII Congresso da Representação Central Ucraniano Brasileira realizada em fins de novembro do ano passado.

As atividades das mulheres ucranianas e sua organização existe desde o início da imigração há 120 anos. No ano passado a Congregação das Irmãs Servas de Maria completou 100 anos de atividades. Esse ano comemora-se o centenário de nascimento da grande poetisa paranaense de descendência ucraniana, Helena Kolody, que fez por merecer as nossas homenagens neste encontro. As organizações femininas existem há muito tempo.

Por que então essa reunião e esse movimento? Visa congregar, articular e dar uma presença nacional ao que existe de fato. São várias as organizações femininas existentes, como da própria sociedade onde estamos reunidos e nos cede o espaço. No entorno de cada comunidade religiosa existe um grupo de mulheres em atividade.

Mas há uma nova realidade no mundo, no país e em nossa comunidade ucraniana brasileira. A presença da mulher está cada vez mais forte. Da Presidência da República, à Chefia da Casa Civil, ao Ministério do Planejamento ou à direção dos grupos folclóricos ucranianos ou museus ou à organização das artesãs de bordados em Prudentópolis ou das Pessankas em Curitiba. Muitas mulheres da etnia ucraniana tem forte presença e de destaque no mundo do trabalho no Brasil.

Historicamente, muitas mulheres deram contribuição importante às atividades culturais da comunidade ucraniana, como Eugenia Boukaloska, Vira Selianski Wowk, Oksana Boruszenko ou Tetiana Baschten, para citar alguns nomes.

Com o objetivo de resgatar essa história e levar a organização das mulheres a um novo patamar surge esse movimento. Para fazer conhecer o imenso trabalho que fazem, aparentemente natural, as donas de casa, as religiosas, as profissionais, artesãs, cozinheiras, costureiras. Faz-se necessário fazer com que adquira a visibilidade que merece o trabalho desenvolvido. Muito das atividades culturais e sociais da comunidade ucraniana brasileira passam pelas mãos das mulheres. É o trabalho de bordadeiras, catequistas, cozinheiras, professoras de língua, coreógrafas, diretoras de museus, poetisas, artistas….

Digam vocês hoje aqui o que fazem !

No Congresso foi eleita uma comissão pequena que teve por objetivo organizar essa reunião e dar início na organização nacional das mulheres. Foi dado um pequeno passo inicial. Foram feitos contatos com os vários estados e várias regiões. Muitas não puderem vir por vários motivos, mas enviaram saudações e a recepção foi muito boa.

Hoje pretendemos que após ouvir todos os presentes, receber relatos e propostas, ampliar essa comissão e traçar um caminho para um congresso no próximo ano, onde tenhamos a participação expressiva de todas as mulheres ucranianas do Brasil.

Essa comissão ampliada, onde devem participar mulheres de todos os estados, de várias regiões, jovens e mais experimentadas, religiosas, terá como missão preparar organizar o congresso, preparar um anteprojeto de estatutos e desenvolver prioritariamente até o congresso o trabalho de contato com todas as comunidades onde existam atividades das mulheres, fazer o resgate histórico da memória da presença da mulher ucraniana na história da imigração e elaborar de uma linha de atividades que coordene e unifique as atividades. A associação nacional não vem para substituir as organizações existentes, mas coordenar as atividades comuns, nacionais e mais amplas, e apoiar as atividades das organizações existentes e fortalecer suas estruturas e atividades autônomas.

Para esse objetivo estão todas convidadas a dar o melhor de si.

Gostaria de lembrar que trabalharam com empenho para o encontro de hoje, conjuntamente: Mauriza Leger Gruba , Janine Rodrigues, Deolmaria Retcheski Dallazen e Helena Groxko. Gostaria também de agradecer o apoio que recebemos.

Eu, de minha parte, nem descendente de ucraniana sou. Nem brasileira. Por casamento com descendente de ucranianos aqui vivo permanentemente e ingressei na comunidade. Mas meus dois filhos são descendentes, minha neta já se apresentou no Teatro Guaíra em 2010 integrando o Barvinok e em razão dessa ligação, fiz o curso básico de ucraniano durante 3 anos na Universidade Federal do Paraná.

Duge Diakuiu!

Viva o 8 de março dia Internacional das mulheres!

Mãos à obra !

[nggallery id=27]

Anúncios