A DIVERSIDADE RELIGIOSA EM CANOAS-RS

Com o propósito de tornar público os dados referentes à religião declarados pela população canoense nos censos do ano de 2000 e 2010 o Observatório da Realidade e das Politicas Públicas do Vale do Rio dos Sinos – ObservaSinos fez o acesso e sistematização da informação disponível no site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os dados coletados são objeto do artigo elaborado pelo pesquisador Inácio José Spohr, coordenador do programa Gestando o Diálogo Inter-Religioso e o Ecumenismo – GDIREC.

O ObservaSinos e o GDIREC são programas do Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Inácio José Spohr possui graduação em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, e mestrado em Ciências Sociais pelo Instituto Latinoamericano de Estudios Sociales, de Santiago do Chile.

Eis a análise.

O propósito da abordagem que aqui faço se restringe a uma breve apresentação e análise dos dados das amostras relativos à diversidade religiosa em Canoas, coletados pelos Censos do IBGE de 2000 e 2010. Faço-o, no entanto, com a ressalva de que os resultados dos Censos, embora obtidos mediante métodos científicos, nem sempre respondem adequadamente a particularidades locais, às vezes muito distantes das de outras áreas do território nacional.

Com 323.827 habitantes, Canoas é a cidade mais populosa entre os 14 municípios da região do Vale do Rio dos Sinos. Situada na cercania de Porto Alegre, Esteio e Sapucaia, apresenta um alentado setor industrial e comercial, e um importante polo universitário1. Município emancipado de São Sebastião do Caí e Gravataí em 19392, Canoas é conhecida tanto no Estado do Rio Grande Sul como em outras regiões do país, por abrigar, em seu território, a “Base Militar da V Zona Aérea” e a Refinaria de Petróleo Alberto Pasqualini (REFAP).

Religiões Cristãs

O desenvolvimento das religiões cristãs em Canoas, segundo os Censos de 2000 e 2010, confirma, em termos gerais, a tendência da diminuição numérica dos adeptos das igrejas Católica Apostólica Romana, Católica Apostólica Brasileira e Evangélicas de Missão, bem como assinala o crescimento das religiões de origem pentecostal. Não obstante, o crescimento das religiões pentecostais não consegue suprir a totalidade das perdas das religiões cristãs (cf. tabela 1). O cristianismo está em recuo nesta região do Estado.

 Segundo o Censo de 2000, a Igreja Católica Apostólica Romana iniciou a década com 75,72% da população e a terminou, em 2010, somente com 64,37%. Houve, portanto, uma perda de adeptos equivalente a 11,35% da população total do município. Continua, portanto, amplamente majoritária entre todas as formas religiosas, mas sensivelmente menor. Já as religiões evangélicas, durante este mesmo tempo, ao contrário, expandiram o número de seus adeptos em 6,13%. Mas o cristianismo, como um todo, diminuiu suas forças em 5,88% (19.041 habitantes) na década.

Para onde foram os ex-adeptos do cristianismo? Quais formas de crer ou de descrer incorporou este contingente de canoenses?

Evangélicas de missão

Entre as religiões evangélicas de missão (tabela 2) a perda de participantes é bem menos intensa que a do catolicismo. Com menos 0,01% as tradicionais igrejas evangélicas de missão de canoas se mantiveram praticamente estáveis. Tiveram pequenos acréscimos as denominações Presbiteriana e Batista, enquanto decresceram, um pouco, as igrejas Luterana, Metodista e Adventista. Não há dados comparativos nos Censos para a denominação Evangélica Congregacional e outras Evangélicas de Missão.

Evangélicas de origem pentecostal

As religiões de origem pentecostal (tabela 3) se distinguem do campo religioso católico e evangélico histórico (evangélicas de missão, segundo o Censo) devido a seu processo de afirmação no meio religioso tanto no Estado do Rio Grande do Sul como em todo país. Durante a década aqui considerada, tiveram um incremento de 1,42% sobre o total da população do município de Canoas3. Acrescentaram adeptos as Igrejas Assembleia de Deus, Evangelho Quadrangular e Deus é Amor. Entretanto diminuíram suas adesões as Igrejas Congregação Cristão do Brasil, o Brasil para Cristo e Universal do Reino de Deus. Não apresentaram adeptos, tanto em 2000 como em 2010, as religiões evangélicas de origem pentecostal “Igreja Nova Vida” e “Evangélica renovada não determinada”4.

Religiosidades Evangélicas sem vínculo institucional

No item “Religiosidades evangélicas sem vínculo institucional” (tabela 4) o Censo de 2000 aponta 1781 habitantes (0,58%), dos quais 0,38% são “Evangélicos” (Ev. de Missão?), 0,21% são “Evangélicos de origem pentecostal” e 0,41% são de “outras religiões evangélicas”.

Já em 2010 o Censo opta por averiguar o número de evangélicos com denominação indeterminada (5,72% da população) e os pertencentes a outras religiosidades cristãs (0,66%).

Diante da escassa opção numérica da alternativa “evangélicas sem vínculo institucional” verificado no Censo de 2000, chama a atenção o alto índice da opção “evangélica não determinada” (5,72%) verificada no Censo de 2010. Será este índice um signo da emergência de evangélicos sem prática religiosa?

Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Testemunhas de Jeová, Espiritualista e Espírita

Neste conjunto de igrejas (tabela 5) cresceram (um pouco) as religiões Testemunhas de Jeová e Espiritualista, enquanto diminuíram os membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. A Doutrina Espírita, no entanto, mais que dobrou seu número de adeptos durante o período. Se em 2000 os espíritas detinham 6.456 adeptos (2,11%), em 2010 passam a ter 14.145 participantes (4,37%).

Religiosidades afro-brasileiras

O Censo de 2010 aponta que Umbanda e Candomblé (tabela 6) reúnem 8.072 seguidores (2,49%). Desdobrada a soma, temos 2,26% na Umbanda, 0,1% no Candomblé e 0,14% em “Outras religiões afro-brasileiras”.

Na década, o Candomblé diminuiu 0,16% enquanto que a Umbanda aumentou 0,51%. Como em outras cidades do Vale do Rio dos Sinos, não são muitos os aderentes das religiões afro-brasileiras. Durante vários séculos a religiosidade africana se manteve à margem da cultura brasileira. Seus adeptos puderam invocar os Orixás tão somente na clandestinidade, ou sob o manto de algum santo católico. Portanto há razões históricas para que esta expressão religiosa seja tão diminuta na região do Vale dos Sinos. Além disso, o nome “Candomblé”, usado pelo Censo, é pouco conhecido em Canoas. Por tudo isso, as expressões religiosas de matriz africana podem estar sub-representadas, tanto nesta pesquisa como em qualquer outra. Designações mais conhecidas para as religiões afro-brasileiras são Batuque, Nação e Religião Africana, entre outras.

Ainda a propósito da representação da cidadania afro-brasileira em Canos, o Censo de 2010 informa que “pretos” (5,64%) e pardos (8,25%) somam 13,89% habitantes sobre o total da população do município.

Religiões orientais

O grupo aqui denominado “Religiões Orientais” (tabela 7) é composto por três subgrupos: (a) o Budismo, que teve um pequeno decréscimo na década; (b) as “Novas religiões orientais”, entre as quais se encontra a Igreja Messiânica Mundial e o conjunto de religiões formado por “Outras novas orientais”, que tiveram um leve aumento de adeptos e (c) o grupo “Outras religiões orientais” (o Censo não cita quais), que diminuíram 0,03% na década. Não há registros nos Censos de 2000 e 2010 para Hinduísmo, Hare Krishna, Seicho-no-ie, entre outras religiões.

São poucos os adeptos nas Religiões Orientais em Canoas? De acordo com as lideranças religiosas do grupo, a forma de crer no “modo oriental” ainda é um grande desafio para a cultura brasileira, majoritariamente ocidental-cristã.

Judaísmo e Islamismo

As comunidades do Judaísmo e do Islamismo (tabela 8) são muito pequenas em Canoas. Em 2010 contam, respectivamente, com 0,03% e 0,06% de adeptos. Os Islamitas tiveram, neste período, um acréscimo de 0,03%.

Tradições religiosas esotéricas e indígenas

As tradições esotéricas (tabela 9), pouco conhecidas em toda a região do Vale do Rio dos Sinos, somam apenas 168 habitantes (0,05%) em Canoas. A religiosidade indígena, por sua vez, anota tão somente 18 declarantes (0,01%), embora o Censo de 2010 indique que há no município 471 pessoas (0,15%) que afirmam ter “ascendência indígena”.

Religião não determinada e múltiplo pertencimento

A opção religiosa de múltiplo pertencimento institucional (visitas regulares a dois ou mais credos) é admitida apenas por 18 declarantes no Censo de 2010 (tabela 10). Serão realmente tão poucos assim? Outros 1.361 (0,42%) se encontram na categoria “não determinada” ou “mal definida”.

Sem religião, ateus e agnósticos

Canoas, de forma similar a outras cidades do Vale do Rio dos Sinos, apresenta um índice de ateus e agnósticos relativamente baixo (tabela 11). No Censo de 2010 temos 2.364 habitantes (0,73%) que se declararam ateus. Outros 374 (0,12%) disseram que são agnósticos.

Relativamente grande é, no entanto, o número de pessoas que anotaram ser “sem religião”. Somam 6,3% da população do município. Ateus, agnósticos e sem religião perfazem 23.135 habitantes (7,14%). Cresceram 2,24% entre 2000 e 2010.

Conclusão:

A título de conclusão, é possível entender que Canoas segue, na área da diversidade religiosa, tendência parecida com a de outras cidades do Vale do Rio dos Sinos. Esta tendência indica que o cristianismo (considerada toda a diversidade religiosa cristã no município) está em declínio, apesar do crescimento das religiões de origem pentecostal. Colabora com a diminuição cristã, sobretudo, o expressivo índice da redução católica que alcança 11,35% do total de habitantes do município.

Entre as religiões de origem pentecostal, chama a atenção, em Canoas, a diminuição do número de adeptos de algumas destas denominações. Entre estas está a, mundialmente conhecida, e apesar de sua ampla exposição midiática, a Igreja Universal do Reino de Deus.

Outro fato importante a ser destacado se refere ao alto índice de evangélicos que não determinam o nome da igreja. Precisamente 5,72% de declarantes se abrigam sob o indicador “Evangélica não determinada”, informa o Censo de 2010.

Também merece ser destacado o fato que nos Censos de 2000 e 2010 não há declarantes para diversas religiões que, seguramente, encontram adeptos no município de Canoas. Por isso é possível que os aderentes de religiões como os da Igreja Mundial do Poder de Deus, da Seicho-no-ie, e de outras tantas, estejam abrigados sob a designação “evangélica não determinada”.

Quanto às religiões afro-brasileiras os dados dos Censos indicam que estas cresceram (um pouco) entre 2000 e 2010. Mas, de certa forma, continuam com baixa visibilidade. No Brasil, segundo o Censo de 2010, os brasileiros que declaram ser de “cor branca” são 47,73% da população enquanto que “pretos” e “pardos” alcançam 50,7% desta mesma população. Desde então pretos e pardos formam a maioria do povo brasileiro. Em Canoas somam 13,89%.

Assim como em outras cidades da região, Canoas conta com significativo índice de habitantes “sem religião”. Mas as opções “ateu” e “agnóstico” são efetivas para poucos declarantes em ambos os Censos.

Enfim, cabe a observação de que, entre as opções religiosas de Canoas desenha-se a perspectiva de um – ainda pequeno – crescimento da diversidade religiosa. Colaboram com esta assertiva os indicadores da diminuição da força do cristianismo, do aumento dos sem religião, do crescimento da Doutrina Espírita e do alto índice de evangélicos sem denominação conhecida.

Em suma, Canoas conta, desde 2010, com menos cristãos, com maior diversidade religiosa e com mais habitantes sem religião.

Notas:

  1. No campo do ensino superior merecem destaque a ULBRA e os centros universitários Unilasalle e Uniritter.
  2. Mais informações nos sites da Prefeitura do município de Canoas e da Wikipédia.
  3. Comparada a outras cidades do Vale do Rio dos Sinos, as religiões de origem pentecostal tiveram, em Canoas (1,42%), expansão próxima a de Sapucaia do Sul (1,26%) e Esteio (1,65%). A de Novo Hamburgo foi maior: 2,48%.
  4. As denominações Igreja Nova Vida e Evangélica Renovada não determinada, embora constem na lista de opções dos Censos, foram suprimidas da tabela por falta de adeptos. A Igreja Mundial do Poder de Deus, do Apóstolo Valemiro Santiago de Oliveira, não consta entre as alternativas de opção religiosa de ambos os Censos.
Anúncios